No Estado

Cresce demanda pelos cursos de Inclusão Produtiva no Tocantins

14/08/2019 10h13 - Atualizado em 14/08/2019 10h18
Foto: Divulgação

É cada vez maior o número de pessoas que procuram os cursos de Inclusão Produtiva, realizados pelo Governo do Tocantins, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (Setas), em municípios do Tocantins.

Nesta semana a meta é capacitar cerca 300 alunos, e as capacitações acontecem em Lajeado, Itaguatins, Araguatins, São Miguel do Tocantins, Xambioá e Juarina.

Os cursos, que estão sendo ministrados nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) dos referidos municípios, tiveram inicio na segunda-feira, 12, e seguem até sexta-feira, 16.

As capacitações são para formação em design de sobrancelhas, maquiagem, cabeleireiro (masculino e feminino), panificação solidaria e confeitaria, com carga horária de 40 horas.

Demanda

“Quero me profissionalizar. Melhorar os conhecimentos, a qualidade dos serviços prestados e montar uma barbearia”, afirmou Genésio Pereira Rodrigues, 31 anos, que está participando do curso de cabeleireiro e barbearia em Lajeado. Lá, as turmas começaram com cerca de 40 alunos e no segundo dia já estavam inscritos aproximadamente 50 pessoas.

De acordo com o técnico da gerencia de Inclusão Produtiva da Setas, Marcos Antonio Coelho, a proposta é possibilitar a inclusão produtiva por meio da geração de trabalho e renda, dando oportunidades às pessoas que são atendidas pelos programas de transferências de renda, que têm menos chances no mercado de trabalho local, e também oportunizar principalmente aos jovens de empreenderem e serem capazes de gerar emprego.

“Em Itaguatins 94 alunos participaram dos cursos no primeiro dia. Já na terça-feira esse número subiu para cem alunos”, afirmou a técnica da Setas, Silvane Ribeiro Costa.

Para o secretário do Trabalho e Desenvolvimento Social, Messias Araujo, os cursos de inclusão produtiva são relevantes no fomento ao empreendedorismo. “Após a conclusão do curso e com os certificados em mãos os profissionais estão aptos para atuarem no mercado de trabalho, seja com outras equipes ou desenvolvendo um negócio próprio e, dessa forma, gerar emprego e renda”, afirmou.

Público Alvo

São cursos direcionados para agricultores familiares, empreendedores de economia solidária, jovens e adultos, micro e pequenos empresários, famílias atendidas pelos programas de transferência de renda, e organizações da sociedade civil.

Inclusão Produtiva

A inclusão produtiva articula ações e programas que favorecem a inserção das pessoas no mundo do trabalho por meio do emprego formal, do empreendedorismo ou de empreendimentos da Economia Solidária. 

Por: Cláudio Duarte e Eliane Tenório/Governo do Tocantins

Veja Também