Em Palmas

Aprimoramento da segurança da Câmara e violência urbana são tema de debates

10/09/2019 16h10 - Atualizado em 10/09/2019 16h16
Foto: Aline Batista

Na sessão ordinária de terça-feira, 10, os parlamentares debateram sobre a necessidade de implantar mais seguranças nas dependências da Casa das Leis, como também de instalação de dispositivos de detecção de metais, em razão do ataque sofrido pelo ex-servidor Francisco da Rocha Costa (Chico Palmas). Na última sexta-feira, 06, ele foi esfaqueado após discussões, via aplicativo de mensagens, no estacionamento público em frente ao prédio da Câmara Municipal.

O vereador Moisemar Marinho (PDT) iniciou a discussão e requereu ao presidente Marilon Barbosa (PSB), atitudes mais enérgicas para resguardar a integridade de quem frequenta a Casa. “Nós, como parlamentares, temos que tomar uma atitude, temos que ter iniciativa para proteger não só os vereadores e servidores desta Casa, mas principalmente os cidadãos de bem que vêm até aqui. Temos que pegar como exemplo a Assembleia Legislativa e o Tribunal de Justiça, que utilizam controle de entrada e saída de todas as pessoas que frequentam esses órgãos”, sugeriu Marinho.

O presidente do Parlamento, Marilon Barbosa, usou a tribuna para se solidarizar com a família do ex-servidor, como também com o 1º Secretário, vereador Etinho Nordeste (PTB), uma vez que a vítima já esteve lotado no gabinete do petebista. “Aconteceu esse incidente nas proximidades do Poder Legislativo com o Francisco Rocha, que é uma pessoa do bem e de família pioneira aqui de Palmas. Eu fiquei sensibilizado com tudo o que aconteceu. O vereador Etinho Nordeste divulgou uma Nota Pública sobre o ocorrido e nós já estamos tomando as providências cabíveis, dentro da lei. Procurei o Executivo Municipal e solicitei que a Guarda Metropolitana ajude na segurança da Casa, como também, o Governo Estadual, para requerer que a Polícia Militar para fazer rondas com mais frequência no entorno da Câmara. Queria agradecer aos vereadores pela solidariedade prestada”, disse o presidente.

Na ocasião diversos parlamentares, consternados, utilizaram a tribuna para repercutir acerca da ocorrência, entre os quais, Filipe Fernandes (DC), Folha Filho (PSD), Diogo Fernandes (PSD), Lucio Campelo (PR) Jucelino Rodrigues (PTC), Vandim do Povo (DC), Laudecy Coimbra (SD), Major Negreiros (PSB), além do pevista Helio Santana.

Já o vereador Etinho Nordeste (PTB), que tem sido alvo frequentes de ataques na internet, pediu ao Poder Judiciário que haja com rigor. “Solicito ao Poder Judiciário, que tome as providências com relação a essas pessoas que vivem ameaçando e desferindo contra mim, palavras de baixo calão. A família tem que tomar precauções. Eu tenho receio, mas medo eu não tenho. Não são agressões contra mim em redes sociais que vão tirar o meu mandato. Tenho uma vida limpa, por isso ando de cabeça erguida” desabafou o vereador.

Ainda durante a sessão, o vereador Milton Neris (PP) cobrou discussão sobre o financiamento da Educação em Palmas. “Não tem como a educação funcionar a contento, se o valor para ser investido em educação em nossa cidade, não ser no mínimo 30% do orçamento. Nós precisamos provocar essa discussão. Está tramitando na Casa, projeto do Executivo de participação democrática nas escolas. A prefeita está sendo desleal ao afirmar que o Parlamento não tem compromisso com a educação porque ainda não se votou esse projeto. É querer jogar a educação contra o parlamento. Não existe nenhum diretor de escola indicado pela Câmara, não há interferência politica deste parlamento na educação. Vamos o mais rápido possível, votar essa matéria, que está tramitando e na relatoria do vereador Etinho” conclamou Neris. 

Por Paulo de Deus

Veja Também