Santos 2 x 0 Palmeiras

Santos vence o Palmeiras e rouba segundo lugar do rival

10/10/2019 09h10 - Atualizado em 10/10/2019 09h12
Foto: Divulgação

Nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, o Peixe entrou com uma formação muito ofensiva, fez uma verdadeira blitz no início, abriu 2 a 0 em apenas 17 minutos de jogo e venceu o rival Palmeiras por este placar, pela 24ª rodada do torneio.

Gustavo Henrique, de cabeça, abriu a contagem aos 13, e Marinho ampliou apenas quatro minutos depois, aproveitando rebote dado pelo goleiro Jaílson em chute de Diego Pituca.

Nos minutos finais da partida, a torcida da casa ainda tirou onda com o adversário, gritando "olé, olé, olé" a cada toque na bola.

O Verdão, por sua vez, fez uma partida tenebrosa e pouco ameaçou a meta de Everson, que terminou com o uniforme limpo.

Para piorar a situação palestrina, o atacante Willian foi expulso com um vermelho direto aos 27 da segunda etapa e será desfalque na próxima rodada, assim como o volante Felipe Melo, que levou seu 3º amarelo.

Com o resultado, o time comandado por Jorge Sampaoli vai a 47 pontos e rouba a vice-liderança justamente do rival alviverde.

No momento, a distância do Peixe para o líder Flamengo é de 5 pontos, mas os cariocas ainda jogam nesta quinta-feira, contra o Atlético-MG, no Maracanã.

Já a equipe de Mano Menezes, que sofreu sua 1ª derrota sob o comando do treinador, segue com 47 pontos, mas cai para a 3ª posição ao ser superada pelo clube da Baixada nos critérios de desempate.

Na próxima rodada, o Santos visita o Internacional, domingo, às 16h (de Brasília), no Beira-Rio.

Um dia antes, às 21h, o Palmeiras recebe o Botafogo, no Pacaembu.

O JOGO
A partida começou a 1.000 km/h. Com uma formação extremamente ofensiva, o Santos logo partiu para cima e acuou o Palmeiras, criando ótimas chances com Eduardo Sasha, Jorge e Carlos Sánchez.

O Verdão até conseguiu responder com Gustavo Scarpa, aos 7 minutos, em uma bela batida que passou perto do ângulo de Everson.

Mas o Peixe era melhor em campo, e achou seu primeiro gol de maneira merecida na bola aérea.

Aos 13 minutos, Carlos Sánchez cobrou falta na área e Gustavo Henrique apareceu livre na área para abrir o placar com uma cabeçada fortíssima.

O lance animou ainda mais a equipe praiana, que, controlando quase 80% da posse de bola, seguiu pressionando para achar logo o 2º gol e definir a parada.

Mais uma vez, não demorou.

Aos 17, Pituca chutou rasteiro da entrada da área, Jaílson bateu roupa e Marinho só escorou o rebote para ampliar - inicialmente, a arbitragem anulou por impedimento, mas o VAR comprovou que o tento foi legal.

O Alviverde estava totalmente perdido em campo, e ainda se lamentou ainda mais aos 24, quando Luiz Adriano lesionou a coxa e pediu para sair. Carlos Eduardo entrou em seu lugar, com Willian passando a jogar como centroavante.

O time de Mano Menezes não conseguia criar jogadas ofensivas, e protagonizava até alguns lances bizarros.

Aos 30, por exemplo, Gustavo Scarpa tentou fazer um gol do meio-campo, mas o goleiro Everson tirou onda e matou a bola no peito.

O Santos, porém, também diminuiu sem ímpeto, passando a ficar menos com a bola. Todavia, o rival alviverde não conseguia ameaçar a meta alvinegra, e o Peixe preferiu controlar o jogo à sua vontade.

No último lance de destaque da primeira etapa, Tailson fez grande jogada pela esquerda e inverteu a jogada para Marinho, que cortou para o pé bom e soltou uma bomba. A bola passou rasante ao travessão de Jaílson e levantou a torcida na Vila.

No segundo tempo, o panorama pouco se alterou, com o time da casa dominando as ações e quase ampliando logo aos 4 minutos, em uma cabeçada de Eduardo Sasha.

Sem conseguir ameaçar o Peixe, o técnico Mano Menezes tentou mudar a cara do Palmeiras, tirando Gustavo Scarpa e colocando Zé Rafael para tentar municiar Dudu, Willian e Carlos Eduardo.

Mas nada que o Verdão tentava mudava a cara da partida, e o Santos prosseguia melhor e criando mais.

Aos 21, Jean Mota arriscou de longe e Jaílson se esticou todo para impedir o 3º tento alvinegro.

Qualquer esperança de reação palestrina acabou de vez aos 27, quando Willian deu entrada forte em Diego Pituca e acabou levando cartão vermelho direto.

Depois disso, os comandados de Jorge Sampaoli só tocaram a bola e, aos gritos de "olé" da torcida, só esperaram o apito final para comemorar a merecida vitória na Vila Belmiro.

Fonte: ESPN

Veja Também