Defensores na comunidade

Defensoria realiza mais de 1500 atendimentos no Aureny III

02/12/2019 15h03 - Atualizado em 02/12/2019 15h19
Foto: Divulgação

Programa foi realizado no último sábado, 30, com variedade de serviços para a comunidade

Mais de 1.500 atendimentos foram realizados pela 4ª edição do programa Defensores na Comunidade, realizado no último sábado, 30, na Escola de Tempo Integral Eurídice Ferreira de Mello, no Aureny III, na região Sul da Capital. Cerca de 20 serviços foram ofertados por mais de 200 servidores, voluntários e parceiros, beneficiando mais de 700 pessoas.

Com o apoio de importantes instituições, entidades e empresas parceiras, o “Defensores na Comunidade” promoveu uma série de serviços. Os atendimentos se iniciaram às 13 horas e seguiram até às 17 horas com orientação jurídica, e missão de documentos, corte de cabelo, serviços em saúde, atividades de lazer, sorteio de 100 cestas básicas e, principalmente, promoção dos direitos humanos e a defesa judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita à população carente.

O casal de aposentados Geraldino Lopes Pereira, 72, e Josefa Maria de Jesus, 71, aproveitou a variedade de serviços e eles aprovaram a iniciativa. “A gente não tem transporte próprio, então, ir até o centro é muito difícil, principalmente na nossa idade. Ficou tudo bom demais da conta, a gente deu entrada em uns papéis que a gente precisava na Justiça e, de quebra, ainda garantiu exames de saúde e até cortamos o cabelo. Eu gostei por demais, tomara que tenha outras vezes porque sempre tem coisa pra resolver na vida, não é mesmo?”, indagou Geraldino com um largo sorriso no rosto.

A dona de casa Maria de Nazaré da Silva buscou atendimento jurídico, atualizou a sua documentação, cortou o cabelo, fez massagem e ainda garantiu mais árvores para o seu quintal. “Vou aumentar ainda mais a plantação que eu tenho no quintal de casa. Já tenho jabuticaba, acerola e agora ganhei essa de jasmin. Já estou ansiosa para ir para casa e começar a cuidar para ver logo ela crescer”, destacou a dona de casa.

Muito além da prestação de serviços jurídicos, o Defensores na Comunidade ofereceu serviços para todas as idades. A pequena Laura Amorim, 6 anos, por exemplo, aproveitou a oportunidade para aprender sobre saúde bucal. “Eu aprendi direitinho a lição e agora vou cuidar ainda melhor de escovar os dentes porque sei que tem que ser três vezes ao dia, sempre depois que a gente comer”, ensinou Laura.

O pequeno estudante Marcus Pereira de Sá, 7 anos, também pegou aulas sobre saúde bucal com os alunos da Faculdade ITPAC Palmas e aproveitou bem os serviços ofertados. “Eu aprendi também sobre como cuidar do meio ambiente e sobre como não gastar muita água com o jogo, fui na quadra jogar futebol e brincar nos brinquedos enquanto a minha mãe fazia massagem, mas o que eu mais gostei foi de cortar o cabelo, fiquei ainda mais bonito”, expressou Marcus.

Jurídico

Carro-chefe do trabalho da Defensoria Pública do Estado do Tocantins, foram realizados diversos atendimentos jurídicos nas áreas Família, Cível, Fazenda Pública, Criminal e da Conciliação. A aposentada Tereza Vieira Soares foi uma das assistidas do Programa. Ela passou por um golpe com desconto indevido em sua conta há mais de um ano e buscou o atendimento jurídico para tentar solucionar o problema. “Eu descobri do nada que tinha uma assinatura de revista que eu nunca fiz, nunca assinei. De repente começaram a tirar dinheiro do meu cartão e acabei tendo que cancelar o cartão. Eu marquei conciliação no Procon e nunca compareceram, pelo contrário, me ameaçaram me colocar no SPC se eu não desse o número do meu cartão novo”, explicou a aposentada. Ela lembra que teve mais de R$ 700 reais descontados em sua conta e buscou orientação dos servidores do Núcleo do Consumidor para tentar solucionar o seu caso. “Pra quem tem muito é pouco e pra quem não tem nada, como eu, é muito dinheiro. Sou aposentada, mas num devo nada, nunca fiz nem empréstimo, sou muito certa com minhas contas. Só tenho de usar o que é meu, mesmo sendo pouquinho”, declarou Tereza.

De acordo com o defensor público Maciel Araújo Silva, coordenador do Núcleo Aplicado de Defesa das Minorias e Ações Coletivas de Palmas (Nuamac Palmas). “Foi uma grata experiência que gerou grandes resultados para a comunidade carente, as nossas expectativas foram alcançadas, pois cumprimos a descentralização dos atendimentos na sede da Defensoria Pública e, além disso, estamos tentando aproximar a população dos serviços ofertados pela Justiça", explicou.

A professora do curso de Direito da Faculdade Serra do Carmo, Liliane Borges, considerou que a iniciativa foi de extrema importância para que os estudantes possam aplicar a disciplina na prática. “O Programa promove a integração entre o aluno e a Defensoria Pública e ainda promove uma integração em ação social. Então, ganham todos os lados e é uma soma de aprendizado com uma contribuição social’, declarou a professora.

Cidadania

A diretora da Escola Eurídice Ferreira de Melo, Márcia Collaviti, explica que o projeto é muito importante para a comunidade da região Sul. “É uma comunidade muito carente e muitos não têm a possibilidade de ir lá fazer todos os serviços ofertados por este projeto. Ele oferece cidadania para quem, por muitas vezes, não tem acesso. Estamos de portas abertas para receber iniciativas com estas sempre porque a comunidade realmente precisa”, concluiu a diretora.

O diretor regional da Defensoria Pública em Palmas, o defensor público Leonardo Coelho, afirmou que o balanço geral do projeto foi extremamente positivo. “Foi um prazer atender a população carente com serviços de saúde, jurídico, lazer e cidadania para a comunidade. Superamos as expectativas em todas as edições, graças a parceria da Defensoria com diversas instituições, pois assim pudemos oferecer um conjunto de ações que fortalecem a cidadania de uma grande parcela da população brasileira que, por muitas vezes, não tem acesso a serviços garantidos pela constituição”, reforçou o diretor regional.

O mutirão de prestação de serviços básicos para a comunidade carente da região Sul encerrou o ciclo de atividades do projeto neste ano. “Fechamos as atividades do Programa neste ano com chave de ouro, aproximando a instituição da população carente em todas as regiões da nossa cidade. Foram mais de 4.500 atendimentos de Norte a Sul da Capital e, para o próximo ano, a intenção é expandir os serviços também para o interior do Estado”, declarou o defensor público-geral, Fábio Monteiro dos Santos. 

Veja Também