Polêmica

Gasolina em Porto Nacional está sendo vendida a R$ 3,70 e não a R$ 3,25 como circulou nas redes sociais

01/04/2020 14h54 - Atualizado em 02/04/2020 14h54
Foto – Divulgação
Foto do preço de gasolina em posto de Porto Nacional nesta quarta-feira, 01.

Nesta terça-feira, 31, O Coletivo publicou matéria dizendo que a diferença de preço na gasolina entre Palmas e Porto Nacional era de R$ 1,14. Sendo que em Palmas o combustível está sendo vendido a R$ 4,39 o litro e em Porto Nacional, mais especificamente, no posto Guararapes, o preço seria de 3,25, que circulou nas redes sociais.

Após repercussão da matéria nas redes sociais, nesta quarta-feira, 01, O Coletivo tentou entrar em contato com o posto de gasolina Guararapes através do número (063- 3363-6505), para saber se o preço que foi praticado, era o mesmo divulgado nas redes sociais, só que ninguém atendeu.

Um informante que não quis se identificar, nos mandou uma foto do preço do litro da gasolina que está sendo praticado no referido posto nesta quarta-feira, dia 01. Na foto, informa que a gasolina está sendo vendida a R$ 3,70 o litro (na promoção pagando em dinheiro). Se venderam ontem, a R$ 3,25, não sabemos, porque não atenderam nossa ligação.

A primeira informação do preço de R$ 3,25 nos foi passada via redes sociais e os motoristas reclamaram que em Palmas o valor deveria ser mais barato, já que a cidade fica mais próxima dos terminais onde o produto chega pela ferrovia Norte-Sul.

O Valor cobrado em Porto Nacional de R$ 3,70, mostra que ainda há uma grande variação no preço, em relação aos postos da capital.

Em Palmas, o combustível está sendo vendido a R$ 4,39, ou seja, uma diferença de R$ 0,69 centavos por litro.

Petrobras

No último dia 24, a Petrobras anunciou a redução em 15% do preço médio da gasolina em suas refinarias e disse que manteria o valor do diesel. O motivo da redução ocorreu por causa do tombo dos preços de petróleo e devidos por impactos da expansão do novo coronavírus e de uma guerra de preços entre os grandes produtores globais da commodity, conforme a Reuters. Com o corte, foi calculado uma queda acumulada de gasolina da Petrobras, responsável por quase 100% da capacidade de refino do Brasil, em cerca de 40% este ano.

Procon

Na última quinta-feira, 26, o Procon Tocantins, informou que notificou o Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Tocantins (Sindiposto) e pediu para que o mesmo justificasse o motivo pelos quais as reduções nos preços ainda não terem sido repassadas para os postos de combustíveis. No documento, o Procon destacou que houve reduções nos preços dos combustíveis, e que essas reduções anunciadas pela Petrobras chegam a 52,3% na gasolina e 32,5% no Diesel.

“Na prática estas reduções ainda não chegaram aos consumidores. Solicitamos ao Sindiposto que apresente os documentos que comprovem o motivo da não redução dos preços dos combustíveis. Também recomendamos que as mesmas sejam repassada integralmente aos tocantineneses”, explicou Walter Viana, superintendente do Procon/TO.

 

Veja Também