Operação Coffee Break

PF investiga contratações milionárias realizadas pela Assembleia Legislativa de Pernambuco

30/07/2020 10h00 - Atualizado em 30/07/2020 10h04

A Operação de hoje é desdobramento da Operação Casa de Papel, deflagrada em junho de 2020



Recife/PE – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira, 30, a Operação Coffee Break, para dar prosseguimento a investigações iniciadas na Operação Casa de Papel, deflagrada em junho de 2020.

Policiais federais dão cumprimento a 10 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 13ª Vara Federal do Recife. Entre as medidas judiciais, quatro mandados estão sendo cumpridos na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco – ALEPE, e os demais em residências de alguns envolvidos em Recife (Poço de Panela, Bongi, Graças), Gravatá e Ipojuca.

De acordo com os dados coletados na investigação, as empresas controladas pela organização criminosa apurada na Operação Casa de Papel vêm sendo beneficiadas há tempos com contratações milionárias efetuadas pela ALEPE. Essas contratações somam quase R$ 40 milhões.

Essa nova fase da investigação apura a solicitação de vantagem indevida feita por um servidor comissionado da ALEPE, que atuava na comissão de pregoeiros e no setor responsável pelos pagamentos, em razão de estar favorecendo internamente essas empresas. O pedido de propina foi travestido de um convite para tomar um café, daí o nome da operação de hoje.

O servidor comissionado e o líder da organização criminosa estão sendo indiciados pela prática dos crimes de corrupção, advocacia administrativa e dispensa indevida de licitação. Foi determinado pelo Juiz Federal, ainda, o afastamento temporário do referido servidor comissionado de suas funções de pregoeiro bem assim de qualquer atribuição que envolvesse licitações e a execução de contratos.   

Veja Também