Pesquisa Global

Nove a cada dez meninas sofrem de ansiedade devido à pandemia de Covid-19

23/09/2020 10h10 - Atualizado em 23/09/2020 10h51
Foto: Divulgação

Meninas e mulheres jovens estão lidando com os impactos secundários do COVID-19, 95% das meninas afirmam que a pandemia afetou suas vidas de forma negativa

Nove a cada dez meninas (88%) dizem que estão sentindo níveis altos ou médios de ansiedade como consequência da pandemia de COVID-19, de acordo com a pesquisa Vidas Interrompidas: O Impacto da COVID-19 na vida de Meninas e Jovens Mulheres. O levantamento, que é o mais extenso deste tipo com foco no impacto da pandemia sobre as meninas, ouviu 7 mil jovens em 14 países, incluindo o Brasil, e foi realizado pela Plan International, organização humanitária de direitos de crianças e adolescentes. As meninas eram de: Austrália, Brasil, Egito, Equador, Espanha, Estados Unidos, Etiópia, França, Gana, Índia, Moçambique, Nicarágua, Vietnã e Zâmbia.

Para as meninas entrevistadas, com idades entre 15 e 19 anos, os medos mais prevalentes dizem respeito à sua própria saúde (33%) e ao bem-estar de suas famílias (40%). Quase um terço delas (26%) estava preocupada com a perda de renda familiar devido à pandemia. O Brasil foi um dos países onde as meninas afirmaram sofrer com mais ansiedade.

A pesquisa mostra os desafios complexos que as meninas estão enfrentando, que vão desde o impacto em sua educação até sua capacidade de sair de casa e socializar.
• 62% das meninas entrevistadas disseram que estavam tendo dificuldades por não poderem ir à escola ou à universidade;
• Mais da metade (58%) das meninas está sentindo os efeitos negativos de não poder sair de casa normalmente;
• Outros 58% destacaram o fato de não poderem encontrar as amigas como uma consequência negativa da pandemia.

“A Pesquisa trouxe importantes informações a respeito dos efeitos colaterais na vida das meninas e jovens mulheres durante a pandemia. É essencial que disseminemos estes resultados e possamos criar ações que minimizem estes impactos, convidando meninas e mulheres para construírem as soluções”, afirma Cynthia Betti, Diretora-executiva da Plan International Brasil. “Precisamos diminuir a exclusão digital, considerar o acesso a direitos sexuais e direitos reprodutivos como serviços essenciais que não podem ser descontinuados, nem durante uma pandemia, assim como serviços de proteção contra a violência baseada em gênero. Também precisamos fornecer apoio psicológico e cuidar do retorno destas meninas e adolescentes à escola, combatendo a enorme evasão que estamos prevendo. Escutamos as vozes de mais de 7 mil meninas em 14 países. Agora é nossa vez de agir, com elas e para elas”, complementa.

Assembleia Geral da ONU

O lançamento oficial da pesquisa ocorre em paralelo à Assembleia Geral das Nações Unidas, em um evento on-line em 23 de setembro. Este diálogo trará uma oportunidade para as meninas destacarem suas principais demandas na resposta à COVID-19, e para que líderes mundiais possam ouvir e responder a isso.

“A pesquisa é um alerta para que os governos reconheçam que as emergências de saúde afetam os grupos de formas diferentes e o impacto potencialmente devastador das consequências disso a longo prazo, que serão sofridas pelas meninas. Para as meninas, os riscos de ficar em casa são maiores. Esta situação afeta sua saúde mental e as coloca em risco de violência doméstica”, afirma Anne-Birgitte Albrectsen, CEO da Plan International. “Por causa das normas sociais patriarcais, que ditam que as meninas devem assumir a grande maioria do trabalho doméstico não remunerado, existe uma ameaça real de que elas sejam obrigadas a abandonar a escola e que fiquem sem estudar”, complementa.

Em todo o mundo, os crescentes encargos financeiros e o aumento da pobreza colocaram uma grande pressão sobre a renda familiar, com meninas e mulheres no trabalho informal aguentando os impactos da desaceleração da economia global. Para Isobel Fergus, Gerente de Pesquisa da Plan International, meninas e jovens mulheres estão aguentando uma carga econômica, doméstica e emocional maior durante a pandemia, trabalhando mais do que nunca. “Elas nos contaram sobre as tensões em casa, como se sentem sozinhas, sobre as faltas na escola, dos amigos e de liberdade de sair por aí. Todos estes são componentes cruciais para o desenvolvimento acadêmico, social e pessoal de uma pessoa jovem”, diz Isobel.

A visão das meninas brasileiras

“Alguns dos meus amigos e amigas sugeriram sites para me ajudar nos estudos, mas não tive nenhum resultado e nem sempre tenho um acesso bom à internet. A verdade é que também estou muito desanimada. Eu não acho que seja a única que se sente assim”, diz Deborah, de 18 anos, que está pensando em abandonar a escola por causa da pandemia. Ela vive no Piauí.

“Não é fácil lidar com a saúde mental durante a pandemia. Não estamos acostumadas a ficar isoladas. Gosto muito de me comunicar e de sair de casa. Tenho usado técnicas de respiração – o que é ótimo para quem está sofrendo de ansiedade – e também passei a cozinhar mais. Isso me ajuda a controlar a ansiedade, o medo, a preocupação. Agora estou fazendo sessões de terapia on-line, mas sinto falta do abraço e de olhar para o rosto das pessoas pessoalmente”, diz Daniele, de 20 anos, que mora em São Paulo.

A visão das meninas pelo mundo

“Minha preocupação é como posso evitar que o coronavírus afete a mim e a minha família. Além disso, por causa desse vírus, eu passo o dia inteiro em casa. Eu não gosto de ficar aqui, porque sou a única que faz todo o trabalho doméstico desde quando acordo até a hora de dormir”, diz Emma, de 14 anos, de Gana.

Para Deolinda, de 19 anos, de Moçambique, o isolamento social com lockdown, e não apenas o vírus, teve maior impacto sobre ela e sua família. “Nos disseram que, para evitar a infecção por COVID-19 devemos ficar em casa e não ir à escola ou ao trabalho. Isso torna as coisas muito difíceis para mim, porque eu conto com pequenos trabalhos por aqui. É assim que sustento minha família”.

“Vai ser muito difícil recuperar esse tempo perdido e a exclusão digital significa que as meninas, especialmente em países de baixa renda, terão dificuldade em acessar as informações de que precisam para sua educação e saúde. As oportunidades pelas quais tanto lutamos estão desaparecendo”, afirma Isobel.

A Plan International está levantando 100 milhões de euros para proteger algumas das crianças mais vulneráveis do mundo e suas comunidades dos impactos da COVID-19. A resposta da Plan International, em mais de 50 países, está focada na assistência às crianças – particularmente para as meninas, que são desproporcionalmente afetadas pela crise. A organização está convocando as autoridades globais, regionais e nacionais para garantir que os planos de resposta à COVID-19 levem em consideração os desafios únicos enfrentados pelas meninas por causa de sua idade e gênero.

A organização também pede às autoridades que não desprezem a saúde sexual e reprodutiva e o acesso aos direitos e que façam da proteção de todas as crianças e mulheres contra qualquer forma de violência de gênero uma prioridade.

Sobre a Plan International

A Plan International é uma organização humanitária, não-governamental e sem fins lucrativos que promove os direitos das crianças e a igualdade para as meninas. Acreditamos no potencial de todas as crianças, mas sabemos que isso é muitas vezes reprimido por questões como pobreza, violência, exclusão e discriminação. E as meninas são as maiores afetadas. Trabalhando em conjunto com uma rede de parcerias, enfrentamos as causas dos desafios de meninas e crianças em situação vulnerável. Impulsionamos mudanças na prática e na política nos níveis local, nacional e global, utilizando o nosso alcance, a nossa experiência e o nosso conhecimento. Construímos parcerias poderosas há mais de 80 anos e que se encontram hoje ativas em mais de 70 países. 

Veja Também