Na Câmara dos Deputados

Câmara celebra o Dia da Consciência Negra com a mostra virtual "Saúde Preta Importa"

20/11/2020 14h14 - Atualizado em 20/11/2020 14h19
Foto: Camila Souza/GOVBA
Homem faz teste para detecção do novo coronavírus; exposição mostra que o acesso dos negros a serviços de saúde é precário

Exposição traz dados de pesquisas, textos explicativos, fotos, vídeos, gráficos e infográficos, e aponta como os negros são mais afetados pela pandemia do novo coronavírus

Para marcar o Dia da Consciência Negra, comemorado em 20 de novembro, o Centro Cultural da Câmara dos Deputados realiza uma exposição virtual sobre a saúde da população negra.

Confira a exposição aqui

A exposição “Saúde Preta Importa" mostra os principais problemas que afetam a saúde física e mental dos negros, bem como as conquistas mais importantes obtidas pelos negros por meio de leis e políticas públicas nacionais, além dos desafios que ainda persistem. Há dados oficiais comparativos, por exemplo, sobre o número de mortos e infectados pelo coronavírus no País.

Um estudo do Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde, da PUC do Rio de Janeiro, com dados do Ministério da Saúde, mostra que, até maio deste ano, 55% de pretos e pardos internados em estado grave em decorrência da Covid-19 morreram, enquanto esse índice foi de 38% entre pessoas brancas.

Ainda segundo o estudo, essa desigualdade é resultado direto do acesso precário da população negra aos serviços de saúde, tanto no sistema público quanto no privado, levando a uma incidência maior de comorbidades maltratadas que potencializam a letalidade da Covid-19.

O curador da exposição, Raphael Cavalcante, destacou que a falta de acesso à saúde por parte da população negra faz parte do racismo estrutural que existe no Brasil. "A exposição traz uma trajetória sobre racismo estrutural a partir da evidência de que a pandemia causada pelo novo coronavírus afetou mais a população negra brasileira. A gente parte do acesso à saúde até outras facetas da vida da população negra, sempre fazendo um comparativo de como esse estrato tão importante da nossa população, que chega a mais de 54%, é afetado pelo racismo estrutural", afirmou.

Para o deputado Damião Feliciano (PDT-PB), que é médico e negro, uma das formas de melhorar a saúde da população negra é justamente garantir o acesso a um ensino de qualidade como forma de aumentar o número de médicos negros.

"Quando um negro é atendido por outro, é importante pela sensibilidade, as pessoas têm o mesmo sentimento de ter passado por algumas coisas semelhantes. Nós sabemos da dificuldade de formação desses negros e dessas negras, médicos e médicas", disse o parlamentar.

A exposição virtual "Saúde Preta Importa" é composta de dados de pesquisas, textos explicativos, fotos, vídeos, gráficos e infográficos.

Inspiração

O título da mostra foi inspirado no movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam, na tradução para o português), que reivindica a preservação de vidas negras em todo o mundo e visa protestar contra a brutalidade policial e todo o tipo de violência motivada por questões raciais direcionadas a pessoas negras.

O Black Lives Matter foi criado em 2013 em resposta à absolvição do acusado pelo assassinato do adolescente Trayvon Martin, morto com um tiro no peito no ano anterior, no estado norte-americano da Flórida.

O movimento se fortaleceu em maio de 2020, quando o negro estadunidense George Floyd foi estrangulado e morto por um policial em uma abordagem na cidade de Minneapolis (EUA). O ato causou grande comoção, ensejando manifestações em diversos países em clamor pela preservação de vidas negras.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Veja Também