Aglomeração

Polícia Civil encerra festa clandestina com mais de 100 pessoas em Araguaína

28/09/2021 10h37 - Atualizado em 28/09/2021 10h40
Foto: DICOM SSP TO
Equipamento de som apreendido pela Polícia CIvil em Araguaína

Evento contava com DJ, aparelhagem de som e cobrava ingresso dos participantes

Uma festa clandestina, que ocorria em uma chácara na zona no Setor Lago Sul, em Araguaína, na noite do último domingo, 26, foi encerrada pela Polícia Civil do Tocantins (PCTO), em meio a mais uma etapa da operação Tolerância Zero”, realizada pela 3ª Delegacia de Repressão a Crimes de Menor Potencial Ofensivo (3ª DEIMPO), com apoio da demais forças de segurança e órgãos municipais de fiscalização e controle.

Coordenada pelo delegado-chefe da 3ª DEIMPO, Fernando Rizério Jayme, a ação, que ocorreu em parceria com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, Departamento de Posturas do Município (DEMUPE), e agentes da Agência Municipal de Segurança Trânsito e Transporte (ASTT), foi deflagrada após investigações realizadas pelos agentes da PC-TO, revelarem que uma festa clandestina estaria ocorrendo em uma chácara em dos setores mais afastados da cidade.

Ao chegar até o local, os policiais constataram os fatos e observaram que o evento possuía várias irregularidades, como ausência de autorização da festa, falta de uso de itens e equipamentos para contenção do vírus (máscara e álcool em gel), uso de som automotivo como emissores da pressão sonora. Além disso, os responsáveis pela festa não tinham autorização de funcionamento do local para eventos, nem sequer alvará dos bombeiros para atestar a segurança do local e possível ocorrência de perturbação da paz e sossego públicos.

As equipes de fiscalização também constataram que havia cobrança de ingresso para entrada, demonstrando a atividade comercial. Foram encontradas aproximadamente 100 pessoas, aglomeradas. Durante a permanência da polícia na chácara, dezenas de carros chegavam ao local, demonstrando que a festa teria grandes proporções.

As placas dos veículos dos participantes foram registradas para posterior intimação para responderem criminalmente pela infringência do Art. 268 do Código Penal. No local, ainda, foram apreendidos diversos objetos, como um gerador de energia, aparelhos de iluminação e bebidas.

O proprietário e responsável pelo evento já é investigado em outros fatos similares, em festas que foram encerradas pela Polícia Civil e que ocorreram no mesmo local. O indivíduo já foi identificado e autuado por promover festas clandestinas e possui uma empresa de eventos em Araguaína. O dono de um Celta, de cor prata, que tocava no local também já foi identificado e responderá pelos mesmos crimes.

Ao comentar a ação, o delegado Fernando Rizério afirmou que; "Um grupo de pessoas envolvidas nessa sucessão de atividades criminosas estão sendo identificadas e as investigações apontaram, que, além de suas ligações, promovem e organizam eventos clandestinos agindo com uma só finalidade criminosa e lucrando com o crime. Após análise técnica verificaremos a possibilidade de instauração de um Inquérito Policial contra os líderes dessa organização criminosa, já que a pena é mais alta, pois, reiteradamente, se reúnem para o cometimento de crimes dessa natureza, infringindo do Art. 288 do Código Penal", ressaltou a autoridade policial.

Além da festa na chácara, os agentes da PC e demais forças de segurança interditaram três bares, que promoviam festas dançantes e flagrante descumprimento aos decretos emitidos pelo Poder Público a fim de coibir a disseminação da Covid-19 e apreenderam outro veículo de som automotivo que estava em uma das avenidas da cidade.

O delegado também informou que denúncias como a que fundamentaram a autuação podem ser feitas através dos telefones 197 ou 190. O cidadão também pode registar um Boletim de Ocorrência por meio da delegacia virtual, localizado no site da Secretaria da Segurança Pública e também nos canais de denúncia da DEMUPE” disse o delegado.

Veja Também