Na região do Cantão

Fiscalização integrada atende denúncia de crime ambiental

22/06/2021 11h35 - Atualizado em 22/06/2021 11h37
Foto: Divulgação – Naturatins
Operação teve bastante resultado devido ao registro de denúncias realizadas pelos próprios moradores

Naturatins e BPMA realizam quatro dias de operação integrada no atendimento de denúncias de extração de madeira e pesca ilegal na região do Cantão

No último fim de semana, de 17 a 21 de junho, a equipe integrada de fiscalização ambiental do Parque Estadual do Cantão (PEC) e Batalhão da Polícia Militar Ambiental (BPMA-TO) de Caseara atenderam várias denúncias de extração ilegal de madeira durante patrulhamento ambiental terrestre no Projeto de Assentamento Onalício Barros e pesca ao longo do Rio do Coco, Lagos do Paredão, seco do Caboco e dos Crentes.

De acordo com o relatório da operação, o responsável pela madeira pretendia usar o material na construção de cerca e afirmou não ter conhecimento da necessidade de licença ambiental. Sem a autorização, o proprietário foi autuado por depósito de madeira tipo estacas, essência diversa. Nos pontos pesqueiros do assentamento foram abordados pescadores amadores que receberam orientação dos fiscais quanto à vigência da cota zero para transporte de pescado e o limite de 5 kg para consumo no local por carteira de pesca.

Em seguida a equipe avançou para área de reserva próximo ao lago Canguçu, onde foi localizado outro ponto de extração de madeira, mas o responsável não se encontrava no local. Por vias aquáticas a equipe percorreu o Rio do Coco, Furo do Cirica e lagos do PEC, onde foram abordados dois barcos com pescadores sem a licença de pesca, que na oportunidade também foram atuados no valor total de R$ 600 reais e tiveram os molinetes e carretilhas apreendidos.

Ainda no Rio do Coco, um homem foi avistado pelos fiscais da operação em uma praia, mas ao perceber a aproximação da equipe evadiu da área, durante as buscas no local foi encontrada uma arma de fogo calibre 32 com cinco munições, que foi entregue ao 9ª Central de Atendimento da Polícia Civil de Paraíso, após registro do Boletim de Ocorrência.

Adailton Fernandes Glória, supervisor do Parque do Cantão disse que a operação teve bastante resultado devido ao registro de denúncias realizadas pelos próprios moradores do entorno do Parque. Adailton conta que a chegada do verão aumenta a facilidade para a extração de madeira, mas o material foi localizado dentro de uma APA – Área de Proteção Ambiental e dentro de uma Reserva Legal.

“Motivo da importância de mantermos as nossas fiscalizações com apoio do BPMA para coibir esse tipo de crime ambiental, além da questão dos acampamentos ilegais, que a partir de agora, com os decretos estadual e municipal estão suspensos em praias, mas mesmo assim, muita gente tem vindo para as beiras dos rios. Parte dessas pessoas tem informação, mas continuam insistindo em acampar dentro da área do Parque, o que não é permitido. Então continuamos fazendo nosso trabalho de orientação e quando é verificada infração não há porque não punir os infratores” destaca Adailton Fernandes.

“A minha orientação é que as pessoas procurem saber em que área continua permitida acampar, evitar aglomeração e observar que, em nenhuma hipótese é permitida a extração de madeira dentro de reserva e extrair esse material sem permissão do órgão ambiental. O Código Florestal, Lei Federal nº 12.251/2012, permite que proprietário da área retire madeira para consumo próprio, mas para isso ele tem que oficializar no órgão ambiental para ter essa autorização em mãos”, concluiu o supervisor.

“Atendemos as denúncias, mas na primeira tentativa de localizar os responsáveis na ocorrência da extração de madeira, não havia ninguém no local, então retornamos posteriormente e ao verificar a irregularidade foi lavrado o auto de infração. Na abordagem dos pescadores buscamos orientar a respeito da cota zero e da necessidade da carteira de pesca e quando há infração efetuamos o registro para coibir a pesca ilegal”, Emival Rocha.

Veja Também