Em Paraíso do Tocantins

Polícia Civil indicia enfermeiro por violação sexual mediante fraude contra pacientes

27/05/2022 14h40 - Atualizado em 27/05/2022 14h44
Foto: DICOM SSP TO
Inquérito foi concluído pela 6ª DEAMV e enviado ao Ministério Público

O profissional de saúde já tinha sido afastado anteriormente de suas funções pela prática do mesmo crime

A Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por intermédio da 6ª Delegacia de Atendimento à Mulher e Vulneráveis (6ª DEAMV) de Paraíso do Tocantins, concluiu inquérito que apurou a prática do crime de violação sexual mediante fraude em unidades de saúde municipal.

De acordo com o delegado-chefe da 6ª DEAMV, José Lucas Melo, as investigações tiveram início após uma moça informar que durante um exame de rotina no início do ano, foi tocada indevidamente pelo profissional da saúde responsável pelo procedimento. Durante o exame, atos libidinosos foram praticados sendo que não guardavam relação com a finalidade do ato.

A partir das diligências realizadas pela Polícia Civil foi descoberto que o autor, um enfermeiro de 56 anos, já havia praticado ato similar em 2014, quando atuava em outra unidade de saúde de Paraíso. Em razão disso, foi removido de suas funções por mais de um ano. Como a vítima não formalizou nenhuma acusação contra ele, terminou voltando a atender.

Além disso, outra vítima foi localizada. Ouvida pelo delegado, o seu relato é de ter sofrido a mesma conduta criminosa anos atrás.

Ainda segundo a autoridade policial, o caso analisado possui como característica o fato do criminoso usar de meios fraudulentos para que as vítimas não percebam ou entendam que estão sofrendo abuso. Nos casos tratados, as mulheres acreditavam que os toques do criminoso eram parte do exame clínico a que se submetiam.

Somente ao conversar com outras pessoas tinham ciência do que ocorrera. Da mesma forma, mesmo diante do desconforto no momento do crime, por receio, insegurança ou estado de choque, não conseguiam nem mesmo esboçar reação.

Tão logo o inquérito policial foi instaurado, houve representação para o afastamento do indivíduo. Após o cumprimento do mandado judicial, ele foi afastado de suas funções. A medida busca evitar que outras mulheres sejam expostas ao delito. O sujeito foi indiciado pelos crimes contra as duas vítimas identificadas.

Agora, com a conclusão do inquérito, o delegado José Lucas diz que o mesmo será encaminhado ao Ministério Público, que adotará a medida legal pertinente quanto ao caso. Além disso, também haverá comunicação do indiciamento à Secretaria Municipal de Saúde.

Por fim, a autoridade policial destaca a necessidade e a importância de que as mulheres procurem a delegacia e denuncie qualquer ato indevido que tenham sofrido.

Veja Também