Em Paraíso do Tocantins

PC deflagra operação contra o abate clandestino de gado

31/05/2022 16h52 - Atualizado em 31/05/2022 16h53
Foto: DICOM SSP TO
Espingarda com silenciador pode ter sido usada nos crimes de abigeato

Durante a operação foram apreendidos vários quilos de carne bovina, além de veículo, e arma de fogo

Nas primeiras horas da manhã desta terça-feira, 31, policiais civis da 63ª Delegacia de Paraíso do Tocantins saíram às ruas daquela cidade a fim de dar cumprimento a mandados de busca e apreensão em endereços de pessoas supostamente envolvidas com o abate e furto de carne bovina.

Coordenada pelo delegado-chefe da 63ª DP, José Antônio da Silva, a operação resultou na recuperação de dezenas de quilos de carnes de animais abatidos nos últimos dias na zona rural de Paraíso, bem como uma espingarda com silenciador, que pode ser a arma utilizada para abater os animais, além de uma motocicleta e munições, de calibre 22.

Ainda durante o cumprimento das ordens judiciais, os policiais civis localizaram e prenderam dois homens, sendo um de 44 anos, pelo crime de receptação. O indivíduo também tem várias passagens por furto e é suspeito de participação nos furtos de gado.

Em seguida, outro homem, de 35 anos, foi capturado, autuado pela prática do crime de posse irregular de arma de fogo de uso restrito. Ele também tem inúmeras passagens pela polícia e também é investigado por envolvimento no furto de gado, que está sendo investigado pela Polícia Civil.

Conforme o delegado José Antônio, a ação é de extrema importância, uma vez que vários animais já foram abatidos nas últimas semanas em propriedades rurais de Paraíso e região. “Por meio da operação deflagrada nesta terça-feira, a Polícia Civil do Tocantins dá uma resposta satisfatória à sociedade, uma vez que a incidência de crimes de abigeato, que é quando os animais são abatidos durante a noite, tem crescido na região de Paraíso”, disse a autoridade policial.

Os dois homens presos foram conduzidos a Central de Atendimento da Polícia Civil, em Paraíso e após a realização dos procedimentos pertinentes, encaminhados à Unidade Penal Local, onde ficarão à disposição da Justiça. As investigações da PC-TO serão intensificadas no intuito de apurar a real participação dos homens presos nos furtos de cabeças de gado. 

Veja Também