Trabalhou no jornal Primeira Página

Jornalista Alício Souza, que trabalhou na década de 2000 em Palmas morre aos 70 anos em MG

27/06/2022 19h38 - Atualizado em 27/06/2022 19h45
Foto: Divulgação
Alício Souza morou em Palmas nos primeiros anos da década de 2000

O jornalista Alício Souza, que trabalhou por alguns anos no jornal Primeira Página, em Palmas, Tocantins, no início da década de 2000, morreu aos 70 anos, no último dia 22 de junho em Minas Gerais, estado onde estava residindo. Ele teve duas paradas cardíacas e não resistiu. Alício havia sofrido três acidentes vascular cerebral, sendo que o último, ocorrido em 2014, deixou-o debilitado e com sequelas na sua capacidade motora.

A jornalista e advogada Sandra Miranda, diretora do jornal Primeira Página lamentou profundamente a partida de Alício Souza, lembrando com muito carinho da época em que trabalharam juntos em Palmas, recordando que quando Alício esteve na sede do jornal Primeira Página pela primeira vez, disse que gostaria de trabalhar ali, pois observou “que este é o jornal mais independente do Tocantins e é disso que eu gosto”, destacou ele, sendo contratado imediatamente.

Assim era o jornalista Alício Souza, crítico e indignado com a corrupção e mazelas sociais, com sua grande habilidade e capacidade intelectual, tornando-se bastante conhecido e admirado em Palmas pelos suas reportagens e textos muito bem produzidos, chegando a ser convidado para atuar em campanhas de candidatos de oposição, no que Sandra Miranda concordava a contragosto, mas com Alício sempre retornando ao jornal depois da eleição.

Alício Joaquim Souza nasceu em Jequié-BA, em 14 de janeiro de 1952, criado em Lajedão-BA, onde cursou os primeiros anos escolares na escola do professor Blandino Severo Batista, concluindo o ginasial no Colégio Sul Americano em Nanuque-MG e o Ensino médio no colégio Americano em Vitória-ES, cidade em que cursou sua graduação em Educação Física, na Universidade Federal do Espírito Santo – UFES. Posteriormente cursou três anos de Direito em Teófilo Otoni-MG, todavia, exerceu a maior parte da sua carreira profissional na função de jornalista, pelo qual sempre foi apaixonado e tinha um dom elementar.

Trabalhou como assessor parlamentar de diversos políticos mineiros, e como escritor e editor de diversos jornais em Minas Gerais e no Tocantins, trabalhando por alguns anos no jornal Primeira Página, de Palmas, na década de 2000. Seu último trabalho foi como assessor parlamentar da prefeitura de Medeiros Neto-BA, no momento em que decidiu retornar à região onde tinha suas raízes, memórias e amizades, no estado de Minas Gerais.

Sua vida pessoal sempre foi pautada no desapego material, numa busca incessante pela felicidade e de justiça social, que caracterizavam seus textos jornalísticos.

Passou por três acidente vascular cerebral e, de maneira surpreendente, saiu ileso de sequelas nos dois primeiros. Infelizmente, no último, ocorrido em 2014, ficou com limitações que reduziram sua capacidade física. De maneira costumeira, manteve a mente sã, com um senso crítico aguçado e um raciocínio invejável.

Sua jornada na terra chegou ao fim no dia 22 de junho, quando já não cabia mais diante das limitações de saúde, ele que sempre quis e viveu livre.   

Fonte: Jornal Primeira Página

Veja Também